9 de agosto de 2014

:: Plantando paz com a Casa da Igualdade



Há um pouco mais de um ano atrás, no dia 19 de março, a Planting Peace (Plantando Paz), uma organização sem fins lucrativos, lançou uma incrível iniciativa que procurava combater os esforços da notória e homofóbica Igreja Batista de Westboro (que até mesmo no endereço virtual já mostra o nível do que sejam www.godhatesfags.com, ou seja, www.deusodeiabichas.com). Pois, na cidade de Topeka, Kansas, do outro lado da rua, nascia a Casa da Igualdade.


Situada exatamente em frente ao conjunto de prédios da Igreja Batista de Westboro, o fundador da “Plantando Paz”, Aaron Jackson, acabou comprando o imóvel com a intenção de transformá-lo numa espécie de celebração com alta visibilidade para a comunidade LGBT. Foi exatamente isso que ele fez, reunindo uma galera enorme para pintar a casa inicialmente com as cores da bandeira do arco-íris.

"Criar a Casa da Igualdade foi e tem sido uma experiência verdadeiramente gratificante", disse Jackson ao periódico The Huffington Post através de um email. "Estou muito orgulhoso da nossa [ONG] Plantando Paz e de nossa equipe que realmente se jogou de cabeça pra tornar parte deste movimento incrível."


Jackson acrescentou: "A gente não pode se concentrar apenas no que se tem feito, mas também no que ainda precisa ser realizado. Taxas de suicídio entre a comunidade LGBT são assustadoras, é ilegal ser gay em muitos países e em alguns deles você pode ser morto. É imperativo que todos nós cheguemos juntos, mudemos esta mensagem, e efetivemos a igualdade de direitos para as minorias sexuais.”

Jackson resolveu adquirir a Casa da Igualdade quando viu uma placa de “Vende-se” na propriedade enquanto olhava para a Igreja Batista de Westboro no Google Maps. Ele sempre quis se envolver em alguma militância, mas não tinha certeza como é que poderia fazer até que a oportunidade apareceu. Ele considera que a mensagem visual [da Casa da Igualdade] seja por si só uma mudança direta a tudo o que a Igreja Batista de Westboro prega.

Jayden Sink, uma menina de cinco anos, é uma das voluntárias e ajudou a montar  uma barraca de limonada no gramado da Casa da Igualdade no verão passado num esforço para arrecadar dinheiro para a campanha da paz em face ao ódio extremado dos slogans da Igreja Batista de Westboro. Num só dia ela não só levantou cerca de 400 dólares com as vendas como também recolheu mais de 26 mil dólares na campanha online.

"Jayden representa a humanidade natural com que todos nós nascemos”, diz Davis Hammet, diretor de operações da Plantando Paz. "Nós viemos a este mundo com sentimentos bons, compassivos, mas que só se tornam odiosos e intolerantes quando somos ensinados a ser dessa forma."


Em homenagem ao Dia em Memória aos Transgêneros a Casa da Igualdade criou uma campanha de solidariedade com a comunidade transgênero, pintando o prédio com as cores da bandeira em prol dos transgêneros. "Infelizmente, o suicídio bem como o número de assassinatos dos transexuais ainda é alarmante", disse Jackson ao The Huffington Post.

"Queria muito que a Casa da Igualdade desempenhasse um papel de levar a opinião pública para esta questão e deixasse claro aos membros da comunidade trans que nós nos importamos. É minha convicção de que, se você é um aliado para a comunidade trans, torna-se imperativo que você esteja aberto a tudo isso. Aceitação e inclusão vem da educação."



Apesar dos esforços incríveis da ONG Plantando Paz a Casa da Igualdade atua sob fogo por outras causas que extrapolam a Igreja Batista de Westboro. Plantando Paz também patrocina uma série de orfanatos em todo o mundo - quatro no Haiti e dois na Índia. Operando totalmente através de financiamento por parte do público, esses orfanatos socorrem crianças das ruas, de outros orfanatos superlotados e crianças resgatadas de casas de comércio de escravos, bem como crianças com HIV / AIDS e crianças com deficiências físicas e mentais graves. Agora mesmo, um dos orfanatos do Haiti mantidos pela organização perdeu parte do seu financiamento após a desistência de um doador que soube que a Pantando Paz defendia projetos e iniciativas pró-LGBT. 



Se você está interessado em ajudar nossa organização sem fins lucrativos a restaurar o financiamento para este orfanato, clique aqui para mais informações.

Este importante projeto Casa da Igualdade nos parece mais uma daquelas estranhas maneiras de Deus nos chamar à razão, a saber, que benditos são todos aqueles que promovem a paz e anunciam o perdão, a reconciliação e o amor que, verdadeiramente, se importa por todas as pessoas e não lança fora ninguém que seja alvo de seu amor.

De um lado da calçada um prédio chamado "igreja"; dentro dele, altares e corações raivosos, orações e palavras de ódio. Do outro lado da mesma rua, exatamente em frente, uma outro prédio, colorido com as cores do arco-íris, buscando salvar vidas, levantando fundos para tirar da marginalidade e da falta de amor crianças abandonadas em orfanatos, jovens e adultos vitimados pela intolerância e buscando no suicídio a solução para suas dores. Mas ele não tem placa de "igreja". Mas é Igreja. Ele não tem altares dentro de sua arquitetura. Mas carrega pessoas com corações-altares onde Deus é celebrado como Senhor da Vida e de toda a diversidade. Imediatamente, impossível não se lembrar de uma lição ensinada pelo Cristo e narrada pelo evangelista Mateus:


"Se vocês crescerem como uma árvore saudável, irão produzir frutos saudáveis. Mas, se a árvore for doente, os frutos produzidos serão podres. Os frutos nos revelam a verdade sobre a árvore... 

Raça de víboras, maus como são, como podem dizer coisas boas? Porque a boca fala do que lhe transborda do coração. O homem de bem tira boas coisas de seu bom tesouro. O mau, porém, tira coisas más de seu mau tesouro. A hora da prestação de contas vai chegar..." (Mateus 12, 33-36).

Nossa pastoral se alegra com os frutos dados pela Casa da Igualdade, assim como festeja em fé por cada uma dessas "estranhezas" da parte do Deus de toda Graça, pois o tempo todo confunde corações cegos no entendimento e se apresenta das formas mais inusitadas de se mostrar ao mundo. Essa liberdade divina é totalmente surpreendente! 

Faz ou não faz sentido a advertência de Cristo a Nicodemus, de que se acaso ele não mudasse o pensamento não conseguiria ver o reino de Deus acontecendo? É certo que sim. Se os olhos não estiverem iluminados (lembrando que os olhos são as janelas da alma), se eles não projetarem o amor de Deus que a todos alcança sendo quem somos, sem imposição de condicionalidade alguma, jamais veremos Deus agindo e sendo adorado mesmo que "celebração de culto" algum aconteça senão pela alegria simples de saber que "o amor é mais forte que a morte" (Livro dos Cânticos 8,6), mais forte que o ódio, que as intolerâncias e que todo viver raivoso.

O Amor que a todos inclui e a todos deseja o bem é absurdamente divino. O amor nos chama todos para nos aninharmos no seio da Igualdade onde todos os filhos e todas as filhas recebem de Deus o mesmo dom: a vida com significado de eternidade.

Que surjam muitas outras Casas da Igualdade em ruas, praças, esquinas e em cada coração!

R. P.

Movimento Episcopaz

Fonte da matéria clique
aqui.

Para saber mais sobre a Casa da Igualdade clique aqui.

Página da Casa da Igualdade na rede social clique aqui.